22/08/2009

O início de uma grande carreira (1)


Depois do jantar, Nando sai na varanda da pensão para tomar um ar fresco e olhar a rua, está uma noite agradável, o céu estrelado e uma brisa suave corta seu rosto, Nando está radiante de felicidade com o emprego quase garantido e com a sua amizade com Clara, ao perceber Nando com uma cara feliz, Marcelo se aproxima e começa a falar umas gírias estranhas. Aew brow o que foi que te deu lá na fábrica, véio tu sumiu e nem deu as cara no beco pra rangar meio dia, achei que tu tinha si picado pow, aeee? Deu uns pega naquela mina do busão ou ficou só babando e não deu conta do recado, ó se tu não quiser pegar ela é só passar pra cá que eu dou um jeito nela. Nando se irrita com Marcelo e diz: por que você na fala em português para que entenda o que você quer dizer, quanto à mina do busão, se você quer saber da clara, eu gostei dela sim e você não devia se preocupar com isso, você deveria se preocupar com as fichas que pegou lá na fabrica para preencher, eu já preenchi as minhas e vou voltar amanhã lá pra fazer uns exames, e vou começar a trabalhar logo depois que fizer a adaptação e o treinamento, agora me diz, você já preencheu as fichas que pegou lá? E Marcelo responde com um ar de malandro: trampo mano? To fora!!! Meu lance é outro, ta ligado. Meu mano paga o mocó pra mim e o rango, o que eu tenho que esquentar? Eu como e durmo de graça sem precisar fazer nada. E tu quer que eu vá trabalhar? Sai fora. Nando não entende nada daquelas gírias e mesmo assim não desiste de mudar as idéias do ‘amigo’. Mas Marcelo não aceita os conselhos de Nando e na gíria ele dá o recado pro amigo. Ô meu, sai fora, vai trampar você eu to de boa mano. Nando percebe que não vai adiantar nada conversar com Marcelo e entra na pensão para descansar, afinal de contas ele tem que sair de manhã no outro dia para se apresentar na fábrica para na perder a vaga de emprego, é assim que ele pretende subir na vida, trabalhando. Nando começa a perceber que o seu amigo não é confiável e que dona Janete estava falando a verdade a respeito do seu amigo Marcelo, ele realmente não é um cara que se deve confiar, pensando nisso ele resolve deixar seu dinheiro nas mãos de dona Janete para não correr o risco de ter uma surpresa a cada vez que ele sair da pensão. Com as malas colocadas em um canto do pequeno quarto ele deixa apenas as roupas e vai procurar dona Janete, ele separa uma pequena parte do pouco dinheiro que tem e entrega nas mãos de dona Janete, com a parte que ele deixou separado ele tem que pagar as passagens, comer e fazer todas as necessidades do dia seguinte quando for voltar à fábrica. Depois de preparar tudo para o dia seguinte, Nando vai enfim descansar para ter um dia bem tranqüilo e fazer todos os exames e conseguir realizar o que ele sonhou tanto. Dona Janete percebe que Nando é um bom rapaz e vai para a sua estante e tira de lá um radinho de pilha que está lá há muito tempo sem ser usado e entrega nas mãos de Nando para que ele possa ouvir musica ou outra coisa que ele quiser. ao chegar ao quarto ela diz: eu te trouxe aqui um radinho para você passar o tempo ouvindo alguma coisa, pode usar ele o quanto quiser até que você possa comprar um, eu sei que ficar num quartinho apertado como esse é muito ruim e pior ainda se não tiver nem uma musica para animar o ambiente. Nando pega o radinho e liga em uma radio e com uma musica bem suave ele adormece. Na manhã seguinte, já com um pouco de ansiedade para saber o que vai acontecer lá na fábrica, Nando toma seu café, troca de roupa e sai para dar uma volta na quadra para passar o tempo antes de dar a hora de ir para a fábrica fazer os exames. Ao sair do portão ele lembra-se de Claudiomar e volta no quarto e procura o cartão que Claudiomar lhe entregou com o endereço da sua vidraçaria, encontrado o cartão ele pede ajuda pra dona Janete como ele ainda não conhece nada ali. Dona Janete ajuda Nando com as ruas e explica como ele deve fazer para chegar à vidraçaria que não é longe de onde ele está. Como dona Janete indicou, ele vai procurando pelas ruas até chegar a frente à vidraçaria, mas ela ainda está fechada, pois ainda é muito cedo e Claudiomar ainda não chegou para trabalhar. Com isso Nando volta à pensão e como não tem nada a fazer no seu quarto ele fica na sacada em frente à pensão esperando as horas passarem e não demora muito ele vê Marcelo chegar correndo da rua e entrar na pensão desesperado como se estivesse correndo da policia, e Nando percebe que Marcelo entra no seu quarto e tranca a porta. Nando não contém a curiosidade e vai até o quarto de Marcelo para ver o que está acontecendo, mas, ninguém responde e Nando volta pra sacada e logo vê um carro de policia passando bem devagar em frente à pensão, o carro da policia vai até o fim da rua e volta. Como Nando não deve nada ele vai até a calçada e observa de longe a ação da policia, quando o carro da policia chega perto de Nando, os policiais descem e revistam Nando e como ele não tem nada, os policiais perguntam se ele viu um rapaz correndo na rua, a descrição é a de Marcelo, mas ele diz que não viu nada e os policiais vão embora. Nando volta para dentro da pensão e encontra Marcelo espiando pela janela e pergunta o que aconteceu e Marcelo responde lá do seu jeito: foi uns lance pá que eu e os mano da quebrada fizemo lá na farmácia, nóis tava sem grana então entramo lá e fizemo uma treta e levamo um troco de lá, agora os cana estão na minha cola. Mas eu não tenho nada a ver com o trambique, eu juro, eu fui de laranja na quebrada, meu mano não pode saber disso de jeito nenhum, se não ele corta meu barato, eu não trampo e ele paga a pensão, ele acha que eu to procurando trampo, mas eu nem to a fim não, eu saio na rua e fico por aí dando uns rolê pra enganar meu mano. Eu prometo que não entro em outra roubada dessas, Desabafa Marcelo. Nando ouve tudo sem dizer uma só palavra, depois que Marcelo desabafa, Nando diz: você não é o mesmo Marcelo que me convenceu a fazer uma viagem tão longa pra chegar aqui na cidade grande e ver essas coisas que eu quase nem to acreditando, você foi há alguns dias lá naquele buraco como você chama minha cidade, e me disse coisas maravilhosas que me convenceram a te seguir, mas agora eu vejo que era tudo conversa fiada, e tem mais, você pode mudar essa história, é só começar a falar direito que nem gente e procura um emprego como eu fiz logo que cheguei aqui. Se tudo der certo eu já começo trabalhar lá naquela fábrica que a gente foi ontem. E aquelas fichas que você recebeu lá na fabrica ontem, você preencheu, pergunta Nando. Não. Responde Marcelo. Deixei lá no ponto do ônibus e o polaco também. Conclui ele. Nando se oferece para pegar outra ficha lá na fabrica e Marcelo meio contra a sua vontade aceita a ajuda do amigo para que Nando não fique pegando no seu pé. Nesse meio tempo os policiais voltam a pé e como Nando e Marcelo estão na frente da pensão, um dos policiais avista Marcelo e os dois policiais acabam entrando na pensão, Marcelo corre para o seu quarto e os policiais cercam Marcelo, como ele entrou desesperado no quarto ele se esqueceu de fechar a porta com a chave, os policiais em perseguição entram no quarto e Marcelo se entrega. Como Nando estava com Marcelo na hora do flagrante, os policiais tentam levar Nando junto, mas dona Janete ao ouvir o barulho sai da lavanderia e não permite que os policiais levem Nando preso, os policiais levam Marcelo para a viatura que estava parada na esquina e levam Marcelo para a farmácia onde o dono da farmácia reconhece o ladrão. Marcelo fica sem argumentos e acaba entregando os seus comparsas no assalto, os caras são bem conhecidos no bairro. Polaco mora na pensão junto com Nando e Marcelo, André é um cara violento e fica o dia todo rondando casas, lojas e procurando um lugar para roubar tudo o que pode para trocar por bebidas e drogas. O outro é Pedro Paulo, conhecido na rua por pepê, ele é um cara alto, magrelo, filho de um alemão que mora a duas quadras da farmácia, pepê tem uma ficha longa na policia e é procurado por tráfico de drogas e contrabando de armas, pepê que já foi preso muitas vezes é o líder da quadrilha que assombra o bairro. André é um dos membros dessa quadrilha, polaco e Marcelo entraram de laranja nessa roubada, pepê abordou pipo, como Marcelo é conhecido na rua e o chamou para fazer o assalto e junto com ele veio o polaco que entrou no bando junto com Marcelo, a intenção do pepê era de colocar Marcelo e polaco como culpados do assalto e sair livre do assalto, mas Marcelo deu com a língua nos dentes e entregou os outros dois para a policia. E dessa vez pipo está encrencado de verdade, levado para a delegacia ele logo tem a companhia de polaco que chega algemado pelos policiais. Agora falta André e Pedro Paulo que estão foragidos, os policiais fazem uma espécie de campana em frente à casa de André, mas ele não aparece, deixando os policiais um dia inteiro em cima de uma árvore esperando André chegar em casa, mas ele não aparece e os policiais vão embora

0 comentários: